quinta-feira, 11 de março de 2010

Triste como um passarinho

É uma tristeza devagar, de leve e suave. Me mata aos poucos saber que eu poderia ter evitado quando tinha controle. É bem mais simples ficar só, facilita, assim eu não cometo os erros que já cometi, e me protejo de me sentir assim. Isso é auto traição, eu sei disso, mas por um leve momento de besteira, ou quem sabe ilusão, achei que seria diferente. Não foi. Queria que tivesse sido, como queria. Acredito que são raras as situações de ilusão sem motivo, argumento ou espaço que lhe abriram pra isso. Então, poderia estar despejando venenosamente milhares de palavras, calculadas exatamente pra dizer tudo vomitando o que me faz mal. Mas não. Estou passiva dos meu sentimentos, assumo. Por esse motivo estou desativando temporariamente o blog, por uns dias talvez, até aprender a não me esconder mais atrás dele pra lidar com o que sinto. Não sei quanto tempo vai durar, espero não ser definitivo. Mas me despeço aqui dos meus leitores, talvez aconteça o contrário e quem lê se despeça de mim. Mas é melhor assim. Espero conseguir voltar.

terça-feira, 9 de março de 2010

Dia Internacional da Mulher

Pra mim, não há assunto mais coerente a ser tratado nesse dia do que a Dança do Ventre, principalmente por ser minha paixão e prática quase que sagrada, a dança do ventre tem um embasamento muito peculiar por diversos motivos, é uma dança milenar capaz de unir tradicionalismo e inovação. Não estou fazendo propagando só porque pratico, mas justamente por isso sei quanto é interessante e como há o que falar.


O termo "Dança do Ventre" vem da tradução de "Bellydance" nome dado a dança em inglês. No oriente é chamada de Raqs Sharqui que significa Dança do Leste / Oriente. Sua origem é muito controversa, não há dados concisos quanto data e local de origem, até então há registros sobre a dança em uma margem de 7000 anos atrás. Sua prática era considerada sagrada, realizada em cultos primitivos à Deusa Ísis (Deusa Mãe) em agradecimento à fertilidade feminina e as cheias do Nilo. A Dança do Ventre passou pelo Antigo Egito, Babilônia, Suméria, Índia, Pérsia e Grécia primitivamente. Com a expansão dos povos árabes e as invasões sofridas por eles a dança foi disseminada e hoje é uma prática mundial. Sofreu várias influências ao longo de todos esses séculos sem se perder.


Por ser relacionada diretamente a fertilidade feminina homens NÃO praticam dança do ventre. Bom, essa é a primeira coisa que quero esclarecer.Quando eu falo sobre bailarinos como Mahmoud Reda ou Márcio Mansur, estou falando de bailarinos de dança árabe FOLCLÓRICA. No caso do Mahmoud Reda, ele é bailarino clássico, coreógrafo do Reda Troup ( corpo de baile com bailarinas de dança do ventre também), por ser egípcio ele tem grande conhecimento de toda a cultura de seu povo, e conhecedor dos passos de dança monta sequências que são referencia mundial, mas ele não pratica dança do ventre. Pra facilitar e resumir, pense nele como um pesquisador e teórico no assunto. Atualmente há homens que praticam dança do ventre, é um assunto delicado, por um motivo simples, vá há um dicionário de sinônimos e você verá que ventre está relacionado a útero, por melhor que seja a execução técnica de um "bailarino de dança do ventre", está incompleta pois lhe falta o que é principal na dança. Antes que a comunidade homossexual venha com foices e tochas atrás de mim deixo claro que não é uma questão de preconceito e sim pré requisito. Esse assunto é muito extenso e polêmico, por isso vamos ao próximo tópico.


Dança do ventre NÃO dá barriga, é um atividade física, queima calorias e faz muito bem a saúde.Mulheres que praticam dança do ventre usufruem de benefícios próprios da dança relacionados a saúde intima feminina, como redução de cólicas, regulação hormonal e até mesmo redução dos sintomas da TPM, isso por que a dança e seus movimentos está diretamente relacionado a anatomia feminina.Concluindo, nós, bailarinas, não precisamos ser gordas para dançar, a diferença é que por ser de origem oriental o nosso padrão estético não importa. O importante é sentir-se bem.


Como se pode notar eu sempre me refiro as praticantes de dança do ventre como bailarinas, explico o porquê. Primeiramente esqueça essa história de que bailarina é quem faz ballet, afinal se assim fosse não seria necessário a definição bailarina clássica para as praticantes desta modalidade. Não é. Depois de uma pesquisa e conversa com uma professora de português especializada no assunto elaborei uma explicação simples: Bailarina deriva do verbo BAILAR e não da palavra balé (assim escrito no dicionário). Basta olhar pro radical da palavra. Quando uma palavra deriva da outra, elas possuem o mesmo radical o que é o caso de BAILar e BAILarina, o que não ocorre com balé.


Mas, e por que não chamar de odalisca?! Pois esse termo é pejorativo. Odaliscas eram as mulheres do harém do sultão, eram treinadas, desempenhavam diversas funções, cada uma de acordo com a sua "especialização". Eram cultas, educadas e muito belas, fazendo uma comparação pra simplificar o entendimento, elas eram como gueixas [ quem assitiu "Memórias de uma gueixa" entende o que eu estou falando] a diferença que eram exclusivas do sultão e ficavam no harém. Eram consideradas artigos de luxo mas infelizmente com o tempo foram sendo banalizadas, principalmente após invasões em que os haréns invadidos eram saqueados e elas eram sequestradas e levadas pra outros países e lá prostituídas. Assim, chamar uma bailarina de dança do ventre de odalisca é pejorativo e dependendo até ofensivo. Eu particularmente costumo apenas explicar que o termo não é próprio quando me chamam assim, afinal as pessoas não são culpadas pelas merdas que a Globo diz.


Há muito mais o que falar, apenas sintetizei os assuntos mais frequentes e dei uma leve introdução histórica. Ficou gigante, eu sei.


Enjoy it ;D

domingo, 7 de março de 2010

Transliteração IV


Fogo
Capital Inicial
Composição: Dinho Ouro Preto / Bozzo Barretti


[...]
Não consigo dizer se é bom ou mal
Assim como o ar me parece vital
Onde quer que eu vá o que quer que eu faça
Sem você não tem graça
[...]

sábado, 6 de março de 2010

Buscando por inspiração

De tanto postar no semoquepostar.com eu resolvi buscar inspiração.
Fui atrás de reportágens, videos engraçados, entrevistas, imagens, charges, piadas, trocadilhos, programação cultural....enfim, nada. Cansei, então fui ouvir música como minha última tentativa, e agora, ao som de Nando Reis, finalmente postando sobre tal : Inspiração.


Ah, quando ela falta, sou ninguém, fico perdida e sem saber se quer o que conversar num papinho de msn. O blog fica a mercê dela, quando aparece tudo se resolve e saem posts sensacionais, mas sem ela fico horas olhando pra janela de nova postagem sem saber o que escrever, pois até o semoquepostar.com necessita um resquício de inspiração que sobrou do post anterior ou de algo que aconteceu. 


E durante as aulas então!? Se me falta inspiração, desculpem o termo mas...FUDEU DE VEZ! O que é um estudante de arquitetura e urbanismo sem inspiração? Um engenheiro civil. [Brincadeirinha]
Mas fica bem difícil seguir o semestre e pensar em trabalhos que surpreendam seus professores para então chegar ao final do semestre e ficar com o tão merecido SS ( pra quem não é da UnB, SS= média de 9 a 10). Ainda bem que meu amor infinito pelo curso e todo o universo que ele abrange me motiva a cada segundo de mais uma noite virada, e se a inspiração faltar, eu a consigo criar. É isso mesmo, o amor me motiva e faz a inspiração.


Se eu amo algo?! Sim. Meu curso infinitamente.
Se eu amo alguém?! Definitivamente. Eu mesma, incondicionalmente.


Por isso, ame algo e/ou alguém sempre ;D

quarta-feira, 3 de março de 2010

Transliteração III

Who'd Have Known
Lily Allen

It's 5 o'clock in the morning
The conversation got boring
You said you were going to bed soon
So I snuck off to your bedroom
And I thought I'd just wait there
Until I heard you come up the stairs
And I pretended I was sleeping
And I was hoping you would creep in with me
You put your arm around my shoulder
And it was good the room got colder
And we moved closer in together
And started talking about the weather
You said tomorrow would be fun
And we could watch a place in the sun
I didn't know where this was going
When you kissed me
Are you mine?
Are you mine?

Cause I stay here all the time
Watching telly, drinking wine
Who'd have known?
Who'd have known?

When you flash up on my phone
I no longer feel alone

No longer feel alone
I haven't left you for days now
And I'm becoming amazed how
You're quite affectionate in public
In fact your friend said it made her feel sick
And even though it's moving forward
There's just the right amount of awkward
And today you accidentally called me baby


Are you mine?
Are you mine?

Cause I stay here all the time
Watching telly, drinking wine
Who'd have known?
Who'd have known?

When you flash up on my phone
I no longer feel alone

Let's just stay
Let's just stay
I wanna lie in bed all day
We'll be laughing all the way
You told your friends they all know
We exist but we're taking it slow
Let's just see how it goes
Let's see how it goes


Are you mine?
Are you mine?

Cause I stay here all the time
Watching telly, drinking wine
Who'd have known?
Who'd have known?

When you flash up on my phone
I no longer feel alone

Let's just stay
Let's just stay
I wanna lie in bed all day
We'll be laughing all the way
You told your friends they all know
We exist but we're taking it slow
Let's just see how it goes
Let's see how it goes

terça-feira, 2 de março de 2010

Coisas que escuto por aí...E fazem sentido.

O sol nasce para todos, a sombra é pra quem merece.
[Passe o ensino médio inteiro dizendo que não concorda com o sistema e aceite sua faculdadezinha particular]


Por mais que o rato urre, será sempre um rato.
[Não adianta me depreciar e me chamar de chantagista]


Querer é poder.
[Querer AGIR é poder]


A distância entre o sonho e a realidade chama-se disciplina.
[E não lamentação]


Saiba que o silêncio pode ser uma resposta. (Paulo Coelho)
[De que não adianta ficar ligando do outro lado da rua]


Quem quiser se curar da ignorância precisa confessá-la. (Michel Montaigne)
[Não sei se seu caso tem salvação mas tente, assuma-se ]


At first when I see you cry, yeah it makes me smile. (Smile- Lily Allen)
[yeah it makes me smile]